Catálogo de Plantas das Unidades de Conservação do Brasil

Sobre a Unidade de Conservação

A Estação Ecológica de Angatuba, criada através do Decreto Estadual 23.790 de 13/08/1985, ocupa área de 1.394,15 ha (23º 24’ 57” S e 48º 21’ 39” W). Está localizada na região sudoeste do Estado de São Paulo, nos municípios de Angatuba e Guareí, na bacia hidrográfica do Alto Paranapanema. Situa-se na Depressão Periférica Paulista, no subcompartimento denominado Depressão do Paranapanema. A paisagem regional é de relevos mais recortados e acidentados, do tipo morrotes alongados e espigões medianamente colinosos. O tipo climático é Cwa, com temperatura média no mês mais frio inferior a 18°C e verão quente, com temperatura do mês mais quente acima de 22°C. As chuvas se concentram no verão e as menores precipitações ocorrem no inverno, inferior aos 60 mm. Predomina na unidade o Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico com textura média, associado ao Neossolo Quartzarênico órtico-distrófico. Subordinadamente ocorrem Argissolo Vermelho-Amarelo distrófico de textura arenosa/média, em relevo ondulado a forte ondulado, e Argissolo Vermelho-Amarelo distrófico de textura média/argilosa. A unidade preserva importantes fragmentos de vegetação natural, com alta diversidade de espécies da flora e da fauna. As fitofisionomias principais são representadas pela Floresta Estacional Semidecidual e pelo Cerrado lato sensu, especialmente em três diferentes fisionomias: Cerradão (Savana Florestada), Cerrado sentido restrito (Savana Arborizada) e Campo (Savana Gramíneo-lenhosa). O estado de conservação da Estação Ecológica de Angatuba, com a alta riqueza florística e diversidade de habitats, a qualifica como ambiente ideal para a manutenção de populações do primata mico-leão-preto (Leontopithecus chrysopygus), que já foi dada como extinta, sendo redescoberta na década de 1980, tendo então, como área de ocorrência, apenas o Pontal do Paranapanema e região. A Estação Ecológica de Angatuba é contígua à Floresta Estadual homônima, uma unidade de experimentação florestal. A maior parte das coletas botânicas na unidade foram realizadas por Roseli Buzzaneli Torres, N. Figueiredo e A.R. Oliveira.